O velho, o novo e o eterno

01/09/2011

Com mais de uma hora entre o fim de “Photographic Memories” e o início de “Um éte brûilan”, resolvi andar um pouco e sentar aqui na praia do Hotel Excelsior, que fica na frente do pavilhão de Cinema da Bienalle. Tomar uma coca, me preparar pra não dormir no próximo filme e escrever um pouco, além de admirar a paisagem. Ainda tá sol, mas não tanto quanto fez ontem e antes-de-ontem, mas a vontade de ir na praia continua. Só falta descobrir um dia bom e torcer para não cair o toró que teve mais cedo. Acabei encontrando com uma menina que adora os brasileiros, gritou pra um cara que trabalha aqui, mostrou uns presentes que recebeu de uma amiga que veio de Salvador e não sei se foi por coincidência tá tocando Ivete Sangalo agora.

Mas voltando a Veneza não bahianizada, é incrível como vendo o povo na praia, os meninos jogando futebol, as meninas se bronzeando, as famílias, não consigo deixar de pensar em Visconti. Acho que ninguém simbolizou tão bem o modo de ser ocidental como ele, com um culto aos corpos, valores e relações como ainda se pode detectar hoje. Nem só “Morte em Veneza”, meu filme favorito, penso mais em “O Leopardo” e especialmente “Violência e Paixão”, os dois que revi esse ano. Mas talvez toda a carreira dele seja no padrão desses três, não me lembro muito bem na verdade – com exceção de “Rocco”, outro que amo, mas de forma meio estranha. Me deu vontade de ver os filmes que não conheço dele – e rever tudo, naturalmente.

“India: Matri Bhumi” (1959, Itália/França) de Roberto Rossellini 2,5/10

Quase uma década depois de Jean Renoir filmar “O Rio Sagrado” na Índia, Rosselini volta ao país para filmar esse título quase desconhecido da sua filmografia. Mas ao contrário do quase “descobrimento ocidental” que Renoir fez, Rosselini aqui parece meio pálido, criando uma caricatura meio forçada das personagens orientais. Enquanto Renoir situava seu núcleo em uma família ocidental e teve o mérito de ser talvez o primeiro filme americano a ser filmado na Índia (e mostrar as belezas de lá, a cultura, etc), Rossellini fica num conflito de indianos, que nunca parece ser real.

Aliás, é importante lembrar que nesse meio tempo já tinha surgido Satiyajit Ray e outros. Não sei muito bem o que Rosselini pretendia lá. Primeiro vemos um jovem indiano e sua vida, em forma de documentário, e parece que ele foi vendido como tal, mas a narração e o próprio formato de filmagens deixa claro se tratar de uma tentativa de tentar capturar um movo de vida não tradicional, ao estilo Nanook. É engraçado como ele apesar de mostrar de uma maneira negativa a forma com que em determinado ponto o protagonista briga com sua esposa, ele nunca parece cogitar em dar a voz a ela também na narração.

Há imagens bonitas, especialmente de elefantes, e a restauração parece boa sem ter alterado muito a fotografia original, mesmo com a digitalização e atualização de cores, já que os materiais positivos de preservação estavam descorados. A mudança de foco no final também não ajuda em nada e parece um pouco precipitada.

 

“Photographic Memories” (EUA/França) de Ross McElwee  5/10

 

Um filme meio estranho, que por muitas vezes cai no vergonha alheia: Um cara de cinqüenta anos, diretor experimental, daqueles que saem filmando tudo de sua própria vida, resolve fazer um filme sobre sua relação complicada com o filho, Aidan. Desde os tenros momentos da infância, registrados em vídeo numa paz absoluta, até os atos de rebeldia da adolescência.

O  engraçado é que apesar do filho claramente se sentir um pouco chateado com aquela filmagem toda em sua vida, ele mesmo acabou mexendo com direção, fazendo filmes, registrando vários momentos de sua vida com os amigos e durante suas aventuras em esqui. Além disso, ele trabalha com muitas coisas em mídia, faz camisas, tem o próprio site, e sintoma de sua geração, fica o tempo todo em redes sociais, celulares, aplicativos, computadores, etc.

É isso, basicamente o que o pai não consegue entender: Existem cenas clássicas, quase encenadas de tão óbvias: Ele tentando conversar com o filho e este ocupado no computador. Os dois ficam brigando tanto (além do uso do filho de drogas e álcool) queRoss decide se por no lugar do filho: Resolve relembrar sua vida por volta dos 21 anos, idade do filho: Abre seus diários, vê suas fotos e resolve voltar a França, aonde passou 1 ano para reencontrar o antigo chefe e a ex-namorada. Pensa que assim ele pode entrar mais em contato com o filho.

No retorno a casa, parece que tudo se resolve: O filho diz que vai fazer faculdade de cinema (antes dizia que faculdade não era pra ele), e que acordou com a ideia de fazer um filme: Ele acorda, bebe, sai pra praia e começa a correr.Basicamente, ele finalmente conseguiu dobrar o pai com o cinema, e pra mim fica uma dúvida se Ross percebe isso ou não. Talvez tenha sido tudo uma trajetória de autodescobrimento para Ross, o que sinceramente espero que seja, pois se não foi uma hora e meia sacaneando o filho.



Melhores Filmes lançados no Brasil em 2009

25/12/2009

1- [10] Foi Apenas um Sonho (Revolutionary Road, 2008, EUA/RUN) de Sam Mendes

Um filme assustador, que segue com ritmo impecável. Kate Winslet em uma das melhores interpretações da história do cinema, se não a melhor. Leo Di Caprio em seu auge, e cena torturante atrás de cena torturante. A vida, infelizmente, é cruel.

2- [9,5] Amantes (Two Lovers, 2008, EUA) de James Gray

Um filme que se utiliza de todos os clichês da dramaturgia para falar sobre as escolhas da vida. Os desafios, os conflitos, as perdas e as superações forçadas. Uma atuação deslumbrante de Joaquin Phoenix e uma fotografia arrebatadora. A direção de arte é quietinha mas té fantástica também. O pôster de 2001 dá um toque de ouro aos temas do filme.

[9,5] Gran Torino (Gran Torino, 2008, EUA/ALE/AUS) de Clint Eastwood

Eastwood utiliza sua persona como ator de forma perfeita para criar um anti-herói modelo em resposta a todos os tipos que Hollywood nos entrega ano após ano. Se for sua despedida mesmo em frente às telas, não haveria de ser mais perfeita.

[9,5] Bastardos Inglórios (Inglorious Basterds, 2009, EUA/ALE) de Quentin Tarantino

[9] Aquele Querido Mês de Agosto (2008, POR/FRA) de Miguel Gomes

[9] Ervas Daninhas (Les Herbes Folles, 2009, FRA/ITA) de Alain Resnais

[9] Entre os Muros da Escola (Entre les murs, 2008, FRA) de Laurent Cantent

[9] Desejo e Perigo (Se, Jie, 2007, EUA/CHN/TWN/HKO) de Ang Lee

[8,5] Dúvida (Doubt, 2008, EUA) de John Patrick Shanley

[8,5] Milk – A Voz da Igualdade (Milk, 2008, EUA) de Gus Van Sant

[8,5] As Testemunhas (Les Témoins, 2007, FRA) de André Téchiné

[8] Arraste-me Para o Inferno (Drag Me to Hell, 2009, EUA) de Sam Raimi

[8] A Bela Junie (La Belle Personne, 2008, FRA) de Christophe Honoré

[8] Horas de Verão (L’heure d’été, 2008, FRA) de Oliver Assayas

[8] Glória ao Cineasta (Kantoku | Banzai!, 2007, JAP) de Takeshi Kitano

[7,5] A Troca (Changeling, 2008, EUA) de Clint Eastwood

[7,5] O Equilibrista (Man on Wire, 2008, EUA) de James Marsh

[7,5] De Repente, Califórnia (Shelter, 2007, EUA) de Jonah Markowitz

[7] Apenas o Fim (2009, BRA) de Matheus Souza

[7] Beijo na Boca, Não! (Pas sur la Bouche, 2003, FRA/SUI) de Alain Resnais

[7] Inimigos Públicos (Public Enemies, 2009, EUA) de Michael Mann

[7] Rio Congelado (Frozen River, 2008, EUA) de Courtney Hunt

[7] O Leitor (The Reader, 2008, EUA/ALE) de Stephen Daldry

[7] Polícia, Adjetivo (Politist, adj., 2009, ROM) de Corneliu Porumboiu

[6,5] Eu Te Amo, Cara (I Love You, Man, 2009, EUA) de John Hamburg

[6,5] No Meu Lugar (2009, POR/BRA) de Eduardo Valente

[6,5] Inútil (Wuyong, 2007, CHN/HKO) de Jia Zhang Ke

[6,5] Aconteceu em Woodstock (Taking Woodstock, 2009, EUA) de Ang Lee

[6] Julie & Julia (Julie & Julia, 2009, EUA) de Nora Ephron

[6] Brüno (Brüno, 2009, EUA) de Larry Charles

[6] O Lutador (The Wrestler, 2008, EUA/FRA) de Darren Aronofsky

[6] 500 Dias com Ela ((500) Days of Summer, 2009, EUA) de Marc Webb

[6] Stella (Stella, 2008, FRA) de Sylvie Verheyde

[5,5] O Curioso Caso de Benjamin Button (The Curious Case of Benjamin Button, 2008, EUA) de David Fincher

[5,5] Se Beber, Não Case (The Hangover, 2009, EUA) de Todd Phillips

[5,5] O Visitante (The Visitor, 2008, EUA) de Thomas McCarthy

[5,5] Titãs – A Vida Até Parece Uma Festa (2009, BRA) de Oscar Rodrigues Alves, Branco Mello

[5,5] À Procura de Eric (Looking For Eric, 2009, RUN/FRA/ITA/BEL/ESP) de Ken Loach

[5,5] Anjos e Demônios (Angels & Demons, 2009, EUA) de Ron Howard

[5] Austrália (Australia, 2008, AUS/EUA) de Baz Luhrmann

[5] Abraços Partidos (Los Abrazos Rotos, 2009, ESP) de Pedro Almodóvar

[5] Harry Potter e o Príncipe Mestiço (Harry Potter and the Half-Blood Prince, 2009, RUN/EUA) de David Yates

[5] Bem Vindo (Welcome, 2009, FRA) de Philippe Loiret

[5] Se Eu Fosse Você 2 (2009, BRA) de Daniel Filho

[4,5] Praça Saens Peña (2009, BRA) de Vinícius Reis

[4,5] W. (W., 2008, EUA/HKO/ALE/RUN/AUS) de Oliver Stone

[4,5] Simplesmente Feliz (Happy-Go-Lucky, 2008, RUN) de Mike Leigh

[4,5] Loki: Arnaldo Baptista (2008, BRA) de Paulo Henrique Fontenelle

[4,5] Valsa com Bashir (Vals Im Bashir, 2008, ISR/ALE/FRA/EUA/FIN/SUI/BEL/AUS) de Ari Folman

[4,5] O Casamento de Rachel (Rachel Getting Married, 2008, EUA) de Jonathan Demme

[4,5] A Erva do Rato (2009, BRA) de Júlio Bressane

[4] À Deriva (2009, BRA) de Heitor Dhalia

[4] Sinédoque, Nova York (Synecdoche, New York, 2008, EUA) de Charlie Kauffman

[4] Frost/Nixon (Frost/Nixon, 2008, EUA/RUN/FRA) de Ron Howard

[4] A Garota de Mônaco (La Fille de Monaco, 2008, FRA) de Anne Fontaine

[4] Uma Noite no Museu 2 (Night at the Museum: Battle of the Smithsonian, 2009, EUA/CAN) de Shawn Levy

[4] Che (Che: Part One, 2008, FRA/ESP/EUA) de Steven Sodebergh

[4] Alguns Motivos Para Não se Apaixonar (Motivos Para no Enamorarse, 2008, ARG) de Mariano Mucci

[4] Anticristo (Antichrist, 2009, DIN/ALE/FRA/SUE/ITA/POL) de Lars von Trier

[4] Star Trek (Star Trek, 2009, EUA) de J. J. Abrams

[3,5] Quem Quer Ser Um Milionário? (Slumdog Millionaire, 2008, RUN) de Danny Boyle

[3,5] Algo Que Você Precisa Saber (Quelque Chose à te Dire, 2009, FRA) de Cécile Telerman

[3,5] Coração Vagabundo (2009, BRA) de Fernando Grostein Andrade

[3] A Ilha da Morte (El Cayo de la Muerte, 2006, BRA/CUB/ESP) de Wolney Oliveira

[2,5] O Menino da Porteira (2009, BRA) de Jeremias Moreira Filho

[2,5] O Caçador (Chugyeogja, 2008, CRS) de Na Hong-Ji

[2,5] Minhas Adoráveis Ex-Namoradas (Ghost of Girlfriend Past, 2009, EUA) de Mark Waters

[2,5] O Solista (The Soloist, 2009, RUN/EUA/FRA) de Joe Wright

[2] Sexta-Feira 13 (Friday the 13th, 2009, EUA) de Marcus Nispel

[2] Divã (2009, BRA) de José Alvarenga Jr.

[2] De Profundis (De Profundis, 2007, ESP/POR) de Miguelanxo Prado

[2] A Era do Gelo 3 (Ice Age: Dawn of the Dinosaurs, 2009, EUA) de Carlos Saldanha

[1,5] O Exterminador do Futuro: A Salvação (Terminator Salvation, 2009, EUA/ALE/RUN/ITA) de McG

[1,5] X-Men Origens: Wolverine (X-Men Origins: Wolverine, 2009, EUA) de Gavin Hood

[1] Do Começo ao Fim (2009, BRA) de Aluisio Abranches

[1] O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes (2009, BRA) de Rafael Ribas, Walbercy Ribas

[1] Transformers: A Vingança dos Derrotados (Transformers: Revenge of the Fallen, 2009, EUA) de Michael Bay

[0,5] A Mulher Invisível (2009, BRA) de Cláudio Torres

[0] Rumba (2008, FRA/BEL) de Dominique Abel, Fiona Gordon, Bruno Romy


1932, Filmes Elegiveis

15/09/2009

Na terça publico os vencedores, e o top10 de filmes.

LONGAS ELEGÍVEIS

  • A Múmia (The Mummy, 1932, EUA) de Karl Freund
  • Ama-me Esta Noite (Love Me Tonight, 1932, EUA) de Rouben Mamoulian
  • Grande Hotel (Grand Hotel, 1932, EUA) de Edmund Goulding
  • Ladrão de Alcova (Trouble in Paradise, 1932, EUA) de Ernst Lubitsch
  • Monstros (Freaks, 1932, EUA) de Tod Browning
  • Mulher Proibida (Forbidden, 1932, EUA) de Frank Capra
  • O Signo da Cruz (The Sign of the Cross, 1932, EUA) de Cecil B. De Mille
  • Os Gênios da Pelota (Horse Feathers, 1932, EUA) de Norman Z. McLeod
  • Pega-Fogo (Poil de Carotte, 1932, FRA) de Julien Duvivier
  • Scarface – A Vergonha de Uma Nação (Scarface – The Shame of the Nation, 1932, EUA) de Howard Hawks
  • Tarzan, o Filho das Selvas (Tarzan the Ape Man, 1932, EUA) de W.S. Van Dyke
  • Two-Fisted Law (Two-Fisted Law, 1932, EUA) de D. Ross Lederman
  • Uma Hora Contigo (One Hour with you, 1932, EUA) de Ernst Lubitsch, George Cukor

CURTAS ELEGÍVEIS

  • Boo (1932, EUA) de Albert DeMond
  • Flores e Árvores (Flowers and Trees, 1932, EUA) de Burt Gillett

1932, Indicações por filme

15/09/2009

NÚMEROS DE INDICAÇÕES


13 Freaks (direção, atriz, atriz coadjuvante, roteiro adaptado, montagem, elenco, direção de arte, figurino, maquiagem, som, efeitos especiais, cena, cena)

13 Love Me Tonight (direção, atriz, atriz coadjuvante, roteiro adaptado, fotografia, montagem, trilha, direção de arte, figurino, som, cena, trilha musical, canção)

10 Trouble in Paradise (direção, ator, atriz, ator coadjuvante, roteiro adaptado, montagem, elenco, trilha, direção de arte, figurino)

10 Scarface (direção, ator, roteiro adaptado, fotografia, montagem, elenco, trilha, direção de arte, som, efeitos especiais)

9 The Mummy (ator, atriz coadjuvante, roteiro original, fotografia, direção de arte, maquagem, som, efeitos especiais, trilha musical)

8 One Hour With You (direção, atriz, ator coadjuvante, montagem, elenco, trilha, som, trilha musical)

8 Poil de Carotte (ator, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, roteiro adaptado, fotografia, elenco, trilha, cena)

7 Grand Hotel (ator coadjuvante, fotografia, elenco, figurino, maquiagem, som, trilha musical)

5 Horse Feathers (ator, roteiro original, maquiagem, cena, trilha musical)

5 The Sign of the Cross (ator coadjuvante, atriz coadjuvante, figurino, maquiagem, efeitos especiais)

1 Flowers and Trees (Roteiro original)

1 Forbidden (atriz)

1 Tarzan, the Ape Man (efeitos especiais)


Indicados de 1932

15/09/2009

DIREÇÃO

__ Tod Browning, “Freaks”

__ Howard Hawks, “Scarface”

__ Ernst Lubitsch, “Trouble in Paradise”

__ Ernst Lubitch, Geoge Cukor, “One Hour With You”

__ Rouben Mamoulian, “Love Me Tonight”

ATOR

__ Boris Karloff, “The Mummy”

__ Robert Lynen, “Poil de carotte”

__ Herbert Marshall, “Trouble in Paradise”

__ Groucho Marx, “Horse Feathers”

__ Paul Muni, “Scarface”

ATRIZ

__ Olga Baclanova, “Freaks”

__ Kay Francis, “Trouble in Paradise”

__ Jeanette McDonald, “Love me Tonight”

__ Barbara Stanwyck, “Forbidden”

__ Genevieve Tobin, “One Hour With You”

ATOR COADJUVANTE

__ Lionel Barrymore, “Grand Hotel”

__ Harry Baur, “Poil de carotte”

__ Edward Everett Horton, “Trouble in Paradise”

__ Charles Laughton, “The Sign of the Cross”

__ Charles Ruggles, “One Hour With You”

ATRIZ COADJUVANTE

__ Claudette Colbert, “The Sign of the Cross”

__ Daisy Earles, “Freaks”

__ Catherine Fonteney, “Poil de carotte”

__ Zita Johann, “The Mummy”

__ Myrna Loy, “Love me Tonight”

ROTEIRO ORIGINAL

__ Bert Kalmar, Harry Ruby, S.J. Perelman, Will B. Johnstone “Horse Feathers”

__ John L. Balderston, “The Mummy”

__ “Flowers and Trees”

ROTEIRO ADAPTADO

__ Julien Duvivier, “Poil de carotte”, adaptado do livro de Jules Renard

__ Willis Goldbeck, Leon Gordon, Al Boasberg, Edgar Allan Woolf, baseado na história “Spurs” de Clarence Aaron ‘Tod’ Robbins

__ Samuel Hoffenstein, George Marion Jr., Waldemar Young, “Love me Tonight”, adaptado da peça “Tailor in the Château” de Paul Armont, Léopold Marchand

__ Ben Hecht, Seton I. Miller, John Lee Mahin, W.R. Burnett, “Scarface”, adaptado do livro de Armitage Trail

__ Grover Jones, “Trouble in Paradise” adaptado da peça “The Honest Finder” de Aladar Laszlo

FOTOGRAFIA

__ William H. Daniels, “Grand Hotel”

__ Lee Garmes, L. William O’Connell, “Scarface”

__ Victor Milner, “Trouble in Paradise”, “Love me Tonight”

__ Monniot, Armand Thirard, “Poil de carotte”

__ Charles J. Stumar, “The Mummy”

MONTAGEM

__ Edward Curtiss, “Scarface”

__ William Shea, “One Hour With You”,

__ William Shea, Rouben Mamoulian “Love me Tonight”

__ Basil Wrangell, “Freaks”

__ “Trouble in Paradise”

ELENCO

__ “Freaks”

__ “Grand Hotel”

__ “One Hour With You”

__ “Poil de carotte”

__ “Scarface”

__ “Trouble in Paradise”

TRILHA ORIGINAL

__ John Leipold, “Love me Tonight”

__ W. Franke Harling, “One Hour With You”

__ Alexander Tainsman, “Poil de carotte”

__ Gus Arnheim, Adolph Tandler, “Scarface”

__ “Trouble in Paradise”

DIREÇÃO DE ARTE

__ Hans Dreier, “Love me Tonight”

__ Hans Dreier, “Trouble in Paradise”

__ Cedric Gibbons, Merrill Pye, “Freaks”

__ Mitchell Leisen, “The Sign of the Cross”

__ Harry Olivier, “Scarface”

FIGURINO

__ Adrian, “Grand Hotel”

__ Travis Banton, “Trouble in Paradise”

__ Travis Banton, Edith Head, “Love me Tonight”

__ Cedric Gibbons, Merrill Pye, “Freaks”

__ Mitchell Leisen, “The Sign of the Cross”

MAQUIAGEM

__ “Freaks”

__ Cecil Holland, “Grand Hotel”

__ Jack P. Pierce, “The Mummy”

__ Robert J. Schiffer, “Horse Feathers”

__ “The Sign of the Cross”

CANÇÃO

__ “Whatever it is, I’m against it”, Harry Ruby, Bert Kalmar, por Groucho Marx “Horse Feathers”

__ “Isn’t it Romantic?”, Lorenz Hart, Richard Rogers, por Maurice Chevalier, Bert Roach, Rolfe Sedan, Jeanette MacDonald, “Love Me Tonight”

__ “Mimi”, Lorenz Hart, Richard Rogers por Maurice Chevalier “Love Me Tonight”

__ “Oh Mitzi!”, Oscar Rubin, Leo Rubin, por Maurice Chevalier “One Hour With You”

__ “Trouble in Paradise”, W. Franke Harling, Leo Robin, “Trouble in Paradise”

SOM

__ G. A. Burns, Douglas Shaerer, “Freaks”

__ Karl Zint, “Grand Hotel”

__ M.M. Paggi “Love me Tonight”,

__ “The Mummy”

__ M.M. Paggi, “One Hour With You”

__ Wlliam Snyder, “Scarface”

EFEITOS ESPECIAIS

__ “Freaks”

__ John P. Fulton, “The Mummy”

__ “Scarface”

__ “The Sign of the Cross”

__ Warren Newcomb, “Tarzan, the Ape Man”

CENA

__ “Whatever it is, i’m against it”, “Horse Feathers”

__ “Isn’t It Romantic?”, “Love me Tonight”

__ Tentativa de suicídio, “Poil de carotte”

__ One of us, “Freaks”

__ Fim, “Freaks”

TRILHA COMPLETA

__ “Grand Hotel”

__ “Horse Feathers”

__ “Love me Tonight”

__ “The Mummy”

__ “One Hour With You”


ANTICRISTO

02/09/2009

charlotte-gainsbourg-antichrist-still1

Anticristo não é tudo isso que falaram. O novo filme de Lars Von Trier é sim, repleto de imagens fortes e chocantes, mas após o primeiro susto é difícil se levar pelos maltratos do cineasta. Ou seja, não choca, nem é forte. Por outro lado, Anticristo é sim tudo isso que dizem. É um dos filmes mais provocantes da história. Ou melhor, tenta ser.
Durante sua carreira, o diretor dinamarquês tentava apontar o dedo pras grandes tragédias sociais, apontando que o homem agia mal a partir de causas sociais maléficas, mesmo que impregnadas nos homens. Seja em Dançando no Escuro, Dogville ou Europa tínhamos personagens que eram vítimas de situações causadas ou pela cultura ou por ações do coletivo, e quando a história não terminava em tragédia completa (a morte ou a segunda guerra por exemplo), causava um trauma profundo.

Aqui, temos a inversão de sintomas. Primeiro vem o trauma profundo (morte do filho do casal interpretado por William Dafoe e Charlotte Gainsbourg), seguimos para a tragédia pessoal, e finalmente a tragédia social. Isso é consequência de uma mudança de visão de Lars Von Trier no que causa o mal. Se antes, era por causas sociais, agora o mal vêm de dentro e todas estas grandes tragédias e conflitos se dá justamente por tantos homens (e mulheres, como acusa o diretor) terem uma alma tão vil.

E nisso reside o grande pecado do filme. O diretor quer nos acreditar que o homem, em seu estado de natureza mais primitivo poderia causar tudo que acontece na segunda metade do filme. É muito falso, hipócrita, maléfico e perturbador, falso, para não dizer que Lars Von Trier nos choca apenas pelo prazer mórbido de chocar, auxiliado pela visão complicadíssima, para não dizer totalmente ridícula de tratar de uma forma completamente machista o femicídio em voga nos séculos anteriores.

Isso poderia até ser contestado se o dinamarquês tratasse pelo viés de que tudo não passa de uma loucura, ou uma grande metáfora. O que concerne a primeira parte, em nenhum momento Von Trier dá a entender que isso é um ato isolado. Inclusive, no início, o personagem “científico” do marido diz sempre que o luto da esposa não é atípico, é um comportamento normal. E a cena final deixa claro que como sempre Von Trier expande seu recorte para a sociedade como um todo.

No campo da metáfora, até se pode relacionar o medo da protagonista ao medo divino, totalmente irracional, e quando este medo é deixado de lado, podemos fazer tudo que nos dá vontade, até as coisas mais abomináveis. O contexto sexual intensifica mais esta interpretação. Mas de qualquer maneira, não absolve o filme, nem o diretor. É um filme que pode impressionar, e impactar em pequeno grau, mas não consegue apresentar nenhuma tese sobre o comportamento aceitável, quando seu tiro não sai pela culatra, completamente.

Charlotte Gainsbourg, porém, está magnífica e é uma pena que a personagem que ela compõe não ganha um correspondente à altura pela direção do filme.


Anticristo
Anticrist, 2009, DIN/ALE/FRA/SUE/ITA/POL
Dirigido por Lars Von Trier. Com William Dafoe, Charlotte Gainsbourg.


Encontros e Desencontros

29/06/2009

Encontros e Desencontros

Há exatos 11 meses eu revia Encontros e Desencontros. Não tinha visto o filme desde o lançamento em 2004, mas era essencial para aquilo por qual estava passando. E isso é o mais incrível do cinema, pois mais importante do que o próprio filme é a sensação da qual ela transmite, fazendo com que a cada revisão, possamos ter uma visão completamente diferente da obra. Todas as artes, teoricamente, fazem isso, mas o cinema possui um diferencial específico por seu meio de transmissão, já que ao contrário de um livro, realiza muito rapidamente tal ato, e ao oposto de música, pintura ou fotografia, o cinema propõe uma imersão muito maior, já que não temos contato repetitivo com ele, como acontece com as outras artes citadas. Ver um filme é ainda, um momento único e especial.

E rever na madrugada desde domingo, foi um momento único e especial, uma atitude perfeita. Acho que pela primeira vez, realmente consegui captar com todas as nuances, a beleza deste filme, e seu grande significado, mesmo que talvez me desminta na próxima revisão. Mas o que ainda é mais estranho é que este significado, mesmo que talvez seja sei lá, o que a Sofia pretendeu, é ainda assim bastante particular. Todos podem ter visões diferentes.

Desde o primeiro instante do filme, a sensação de tédio é transmitida por todos os poros do filme. Iniciamos com planos de Charlotte (Scarlet Johansson) deitada, e em seguida, Bob (Bill Murray), cochilando num táxi, indo para o hotel. Ninguém exatamente dormindo, todos conscientes do seu redor, mas em um estado que não se altera muito. Essa sensação permeia o longa inteiro, auxiliados por uma câmera discreta de Lance Accord e a edição brilhante e igualmente suave de Sarah Flack.

Os protagonistas estão perdidos na tradução, o maior simbolismo possível para o mundo contemporâneo e o grande desafio e a grande força deste cinema atual. Não é a toa que o filme se passa no Japão, talvez o mais que antes da “nova revolução chinesa” era o país que mais sofria com a repentina mudança de culturas. Não é a toa, que a grande geração cinematográfica da atualidade esteja na Ásia.

Scarlet Johansson

“Let’s never come here again because it will never be as much fun. “

O relacionamento entre Bob e Charlotte não poderia funcionar, a não ser naquele instante. Isto é o que diferencia eles entre os seus respectivos casamentos. Bob e Lydia, com 25 anos de casamento, já estão na fase das crianças, de se preocupar mais com a estabilidade. Já Charlotte e John, no início do matrimônio, ainda estão se curtindo, mas sem uma intensidade de uma paixão que talvez existiu no começo. São estes relacionamentos, que funcionam a longo prazo, enquanto os que marcam e alteram nossas vidas existencialmente são passageiros.

Nesta insônia permanente, em que eles vivem, entre o estar acordado e estar dormindo, estar em contato com os outros, seja os cônjuges, ou amigos e pessoas que cruzam o caminho, e estar isolados em si mesmos, acabam meio que sem querer descobrindo uma válvula de escape, mesmo que ela só pode sobreviver futuramente em suas mentes, em seus desejos, aspirações e devaneios, aí outra relação com os planos iniciais. E nesse aspecto as cenas de Charlotte tentando descobrir sua “identidade” são as mais belas, seja ouvindo música no fone de ouvido ao trem, escutando uma fita de auto-ajuda no hotel ou tentando se conectar com a espiritualidade japonesa estão entre as mais belas do cinema.

O diálogo final é apenas um último suspiro naquela relação. Finalmente eles se beijam, mas é apenas a conseqüência e materialização física de toda aquela intimidade que eles já criaram. Talvez tenham encontrado suas respectivas almas-gêmeas, mesmo que por um breve instante. Cinco anos depois, cinco meses ou cinco semanas depois seriam pessoas completamente diferentes, com outros problemas e outros anseios. Outras inquietações. Mas naquele instante, naquele hotel em Tóquio, perdidos no mundo, eles se encontraram, e puderam seguir em frente. O amor talvez seja isso, algo passageiro, algo fugaz, mas que consegue ao seu término e com sua lembrança nos fazer percorrer o caminho maior da vida.

Os atores conseguem transmitir uma verdade incrível nos personagens. Murray, com seu tom mais sombrio e de quem já está passando por crises de meia-idade, traz um olhar ao mesmo tempo sinistro e sarcástico por todos estes problemas, e que encontra em Charlotte alguém que passa pelas mesmas aflições e consegue em uma cena lindamente filmada na cama, dar alguns conselhos a ela. Já Johansson explora este sentimento de descoberta, seja passeando pela cidade, em monumentos japoneses, que no fundo já não dizem mais nada para ela, como ela conta para uma amiga no telefone. A falta de sentimentos que estão ligados a um antigo mundo, acabam trazendo mais aflição e desespero para ela, que vê na personagem de Murray uma forma de tentar compreender melhor estes sentimentos.

Em nenhum momento eles se aproximam de fato de uma relação sexual, percebendo mesmo que inconscientemente e contra suas vontades talvez, de que isso só pioraria toda a situação. Eles conseguem uma relação de alma praticamente, que só ameaça se romper, quando tamanha perfeição está em risco, seja quando Bob transa com uma outra mulher qualquer ou quando enfim ele tem que partir. Mas de qualquer maneira, dos dois seguem suas vidas, continuam em seus caminhos anteriormente traçados, e a metáfora da cena final, se torna perfeita, quando Bob a caminho do aeroporto encontra Charlotte na rua, e transmite algo secreto para ela em seu ouvido, antes dos dois voltarem para seus destinos anteriores. O filme todo em uma cena. O que se passou ali, seja no último diálogo, ou durante o filme todo, não importa quantas análises de som ou de crítica sejam feitas, só eles saberão.

Encontros e Desencontros
Lost in Translation
2005, EUA / Japão.
De Sofia Coppola.
Com Bill Murray, Scarlet Johansson, Giovanni Ribsi, Anna Faris, Fumihiro Hayashi, Akiko Takeshita, Catherine Lambert.

6 estrelas

Encontros e Desencontros 2

I could feel at the time
There was no way of knowing
Fallen leaves in the night
Who can say where they´re blowing
As free as the wind
Hopefully learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning

More than this you know there’s nothing
More than this tell me one thing
More than this ooh there is nothing

It was fun for a while
There was no way of knowing
Like a dream in the night
Who can say where we’re going
No care in the world
Maybe I’m learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning